Tem dificuldade de precificar alguns aspectos de sua obra? Sente falta de um norte para repassar alguns reajustes no valor de materiais, mão de obra etc?  No Brasil temos o Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil (SINAPI), que estabelece regras e critérios para a elaboração do orçamento de referência para obras e serviços de engenharia. De forma a contribuir com a criação de parâmetros dos custos nas etapas de uma obra.

A administração do SINAPI é feita pela Caixa e o IBGE. A Caixa é responsável pela elaboração da base técnica de engenharia, como a especificação de insumos, composições de serviços, orçamentos de referência e pelo processamento de dados. Já o IBGE tem o compromisso de realizar a pesquisa mensal de preço, tratamento dos dados e formação dos índices.

Uma das vantagens desse sistema, é que os valores dos insumos e seus custos (como materiais, mão de obra, equipamentos etc) são divulgados para as 27 localidades do Brasil. Respeitando assim, as especificidades de cada região.

 

Como funciona o SINAPI?

Para saber sobre esses valores, basta entrar no site da Caixa. No portal, os arquivos são disponibilizados para download em pastas compactadas com os relatórios de insumos e de composições, com os valores dos impostos.

De acordo com o portal da Caixa, os preços informados são coletados pelo IBGE e os valores (medianos) fornecidos à Caixa. Quando o IBGE não obtém informações suficientes nos locais previamente cadastrados para a coleta, em determinada localidade, o preço para o insumo é atribuído. Isto permite que o SINAPI disponha de preço e custo de referência para todas as localidades. Os insumos e composições têm a origem do preço identificada como coletado (C) pelo IBGE, obtido por meio do coeficiente de representatividade (CR), do insumo (metodologia de família homogênea adotada no SINAPI) ou atribuído com base no preço do insumo para a localidade de São Paulo (AS).

 

Como acompanho as atualizações do SINAPI?

É possível acessar dados do SINAPI no site do IBGE, que apresenta algumas informações, como o exemplo abaixo:

De acordo com o portal de notícias Valor Econômico, em março desse ano, a inflação medida pelo SINAPI abrandou 0,14%, após marcar 0,30% no mês de fevereiro. Foi a menor taxa para o mês de março desde o início do Plano Real. O custo nacional da construção por metro quadrado foi de RS 1.074, 41 no terceiro mês de 2018. Dos quais R$ 553, 35 relativos aos materiais e R$ 521, 06 à mão de obra.

Ainda segundo o portal, só em março o índice acumulou alta de 3,49%. Nos três primeiros meses do ano, a alta acumulada foi de 0,71%.

Ou seja, o bom profissional, que pretende estar sempre atualizado com o mercado da construção civil, está sempre de olho nesses índices, para que a gestão de sua obra não tenha prejuízos.

A Caixa utiliza a SINAPI para aprovação de financiamento imobiliário, sendo necessária a elaboração de um orçamento utilizando a SINAPI como base. Uma vez aprovado o orçamento, as liberações de recursos para a obra são feitas de acordo com as medições de serviços nas etapas definidas no orçamento.

 

Veja nesse artigo como importar dados de planilhas orçamentárias feitas com a SINAPI e gerenciar sua obra.

 

Se você está sempre buscando formas e soluções de melhorar o gerenciamento de sua obra, venha conhecer o Obrafit. Sistema intuitivo que veio para facilitar a vida do gestor e do proprietário. Saiba mais navegando em nossa página!

Para assinar o sistema, basta acessar obrafit.com.br e escolher o plano mais adequado às suas necessidades, instalando o aplicativo móvel complementar via Google Play ou Apple Store. E mais! O sistema com todas as funcionalidades está disponível por 30 dias grátis! Crie agora a sua conta!