País tem se destacado no mercado mundial quando o assunto é projeto verde.

 

Se você acha que construções com um sistema de reuso de água, vidros que permitem a iluminação natural do ambiente, telhado vegetado, entre outras tecnologias são fora da realidade de países como o Brasil, saiba que você está enganado. Nos últimos anos, a tecnologia tem estado presente em construções sustentáveis, tanto em bairros nobres como em casas populares.

No ano de 2016, o Brasil apareceu em quarto lugar no ranking, com 7,43 milhões de metros quadrados certificados com a Leed (Leadership in Energy and Environmental Design), que foi criada pela ONG U.S. Green Building Council. Ficando à frente de países como a Alemanha que ficou na sétima colocação, de acordo com o portal de notícias Estadão.

Entre o período de 2010 e 2016, o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), liberou R$ 545,2 milhões da sua linha de crédito que financiou até 80% dos custos de projetos. Com foco na distribuição de energia em edificações e outras tecnologias sustentáveis (condicionamento de ar, iluminação, fachadas ventiladas).

Além de todo o incentivo econômico, o Brasil tem adotado outras iniciativas. Por exemplo, em 2010, o Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia) elaborou um programa de etiquetagem para avaliar o desempenho energético de projetos e edificações prontas.

 

Exemplos de tecnologias sustentáveis

1 – Elevador

O movimento do elevador pode gerar energia. Ímãs no contrapeso do elevador passam por bobinas fixadas na parede do poço, criando um campo eletromagnético que gera eletricidade.

2 – Eletrodomésticos

Na escolha de eletrodomésticos, opte por equipamentos com etiquetagem A do Inmetro em eficiência energética.

3 – Fachada ventilada

A fachada ventilada consegue reduzir de 30% a 50% a temperatura interna. Sem vedação completa nas partes inferior e superior, ela cria uma lâmina de ar e permite o “efeito chaminé”. O ar mais quente sobe, enquanto o mais frio é “sugado” para a cavidade.

4 – Sensores

Sensores identificam a presença dos usuários na garagem e ligam e desligam a luz dependendo da necessidade.

5 – Painéis solares

Painéis solares térmicos podem aquecer a água de torneiras e chuveiros. Enquanto placas fotovoltaicas geram energia elétrica limpa para o uso cotidiano.

6 – Vidros

Vidros permitem a iluminação natural do ambiente. Por outro lado, podem aumentar a temperatura interna. Há soluções para isso, como os vidros de baixa emissividade (low-e), que refletem os raios solares, mas permitem a passagem de luz.

7 – Vedete Modernista

Muito aplicado pelo modernismo brasileiro, os brises são usados até hoje para controlar a incidência de luz. Inicialmente de concreto, eles foram ganhando versões em formas e materiais diversos.

8 – Teto Verde

Estudos apontam que o telhado vegetado pode diminuir em cerca de 5°C a temperatura interna e reduzir em até 95% o ganho de calor. Além de melhorar o conforto térmico, a cobertura vegetal na laje pode ajudar com o isolamento acústico e a retenção da água das chuvas.

9 – Ar Condicionado

Uma microunidade de geração a partir de gás natural fornece energia para o ar-condicionado. A alternativa pode representar uma economia de mais de 90% no consumo de energia, na comparação com fonte elétrica tradicional.

10 – Lâmpadas

As lâmpadas de LED são mais caras, mas duram 25 vezes mais que as incandescentes, e a economia na conta de luz pode chegar a 85%. Sistemas de controle automáticos detectam o nível de iluminação natural no ambiente para aumentar ou diminuir a potência das lâmpadas conforme a necessidade.

Fonte: Estadão

 

Exemplos de construções sustentáveis

Um exemplo de construção verde é o edifício localizado na Avenida Presidente Juscelino Kubitschek, na cidade de São Paulo. O empreendimento conquistou em 2012 a primeira certificação LEED ouro do país. Para adquirir a certificação, o prédio teve que se adequar para se tornar sustentável. Utilizando diversas técnicas para a redução do impacto ambiental.

Entregue em 2008, o prédio de 13 andares, tem como soluções verdes a redução do consumo de energia elétrica, melhor utilização da água (uma vez que não são usados produtos químicos nas fontes do prédio, reaproveitando o líquido para as torres de resfriamento).

 

Bairro de Periferia

Outro caso de obra sustentável é um espaço com seis casas, localizado na sede do Instituto Favela da Paz, em uma região periférica na cidade de São Paulo. Nesse espaço, todo o sistema de sustentabilidade que funciona no local foi criado pela própria comunidade.

Por exemplo, a água da chuva é utilizada para as descargas. Há até mesmo um biodigestor feito com contêineres usados que converte o lixo em gás para cozinha. De acordo com o coordenador do Instituto Favela da Paz, Fábio Miranda, as luzes se acendem com a ajuda da luz solar, e até mesmo inventou uma lâmpada com o uso de material de segunda mão. De acordo com o coordenador, uma das principais vantagens é que além de ser sustentável não há custo.

 

“Quatro plaquinhas, cada plaquinha tem três volts, se eu pegar quatro, três, seis, nove, 12, ligar em série, 12 volts. E a garrafa pet foi doada por um amigo, ele pegou para mim. Então a gente tem aqui, controlada via bluetooth, uma lâmpada totalmente sustentável sem custo algum”, afirma.

 

São exemplos como o da comunidade e o do prédio na avenida Presidente Juscelino Kubitschek, que fazem o Brasil se destacar mundialmente quando o assunto é construção sustentável.

Se você é arquiteto, engenheiro ou construtor e deseja planejar a sua obra de maneira sustentável sem perder o controle de quantidades, custos e tempo, utilize o Sistema de Gestão Obrafit! Saiba mais!

Para assinar o sistema, basta acessar obrafit.com.br e escolher o plano mais adequado às suas necessidades, instalando o aplicativo móvel complementar via Google Play ou Apple Store. E mais! O sistema com todas as funcionalidades está disponível por 30 dias grátis! Crie agora a sua conta!