Como já vimos em nossa página, a produtividade na construção civil é um problema mundial. No Brasil, esse cenário se estende em relação aos baixos índices de projetos bem-sucedidos em prazo, custo e qualidade. Há diversas razões para que isso aconteça. Sendo uma delas a falta de uma boa gestão.

Um único projeto contempla diversas etapas. Por exemplo, na construção de uma casa são diversas etapas que envolvem a mão de obra de diferentes profissionais, como eletricista, designer de interiores, arquitetos etc.

É comum que cada um tenha foco na área que é de sua responsabilidade e acabe não priorizando a gestão compartilhada de todos os projetos da obra, o que dificulta o cumprimento de prazos e orçamentos, além da perda de qualidade e, consequentemente, produtividade.

Por exemplo, o designer de interiores planeja um espaço recuado de alvenaria para a iluminação cenográfica na sala. Por falha na compatibilização de projetos, o empreiteiro não executa como previsto pelo designer porque prioriza outras questões, como o alicerce do seu projeto. Isso gera insatisfação e retrabalho, uma vez que o projeto terá que ser revisto. Quem mais sofre com a falta de sincronicidade é o proprietário, que fica refém de uma solução por parte da equipe. Todavia, a imagem de toda a equipe envolvida fica afetada negativamente conceito do proprietário, que é o destinatário final dos serviços.

Outro exemplo: os projetos hidrossanitário e estrutural não foram compatibilizados. Resultado? A tubulação do primeiro projeto acaba cruzando uma viga do segundo! Esse imprevisto gerou atraso e custo adicional para a abertura da viga. Mais uma vez a falha de comunicação prejudicando a obra! Esta revisão durante o projeto pode ser minimizada se a gestão compartilhada for implantada deste o início, com o envolvimento de todos os projetistas.

Quando falamos desse tipo de gestão, estamos tratando de uma administração em que todos os envolvidos buscam ações e soluções que beneficiem o empreendimento como um todo, e não de forma isolada.

A estratégia desse modelo de gestão consiste na utilização de ferramentas em que todos os envolvidos no projeto compartilham informações e chegam a um consenso para o bom andamento da obra e resultado final, o que proporciona uma experiência positiva para o proprietário.

 

Como o Obrafit pode me ajudar a ter uma gestão compartilhada?

Sabemos que um dos entraves para administrar uma obra de forma colaborativa é a falha na comunicação para a tomada de decisões e a dificuldade de visualização das ações.

A tecnologia veio para ajudar! Hoje, existem sistemas que favorecem esse novo modelo de gestão compartilhada. Um exemplo é o Obrafit.

Em cada etapa o usuário pode contar com o respaldo do Sistema, podendo criar todos os itens e subitens que serão utilizados – possibilitando o controle dos gastos em cada um deles.

Vale ressaltar que o Sistema permite que as etapas sejam reordenadas conforme a necessidade de cada construção.

PINHEIROS
MANDRIL ARQUITETURA + INTERIORES

RESIDÊNCIA GUAICÁ
PADOVANI ARQUITETOS + ASSOCIADOS

CASA TERRAVISTA 88/89
DAVID BASTOS ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA

Fonte imagens: Galeria da arquitetura

Como acertar?

Para trocar informações e acompanhar o passo a passo da execução do projeto ou reforma, peça para o seu arquiteto utilizar o Sistema de Gestão Obrafit. O sistema é online, baseado em nuvem e totalmente responsivo, possibilitando o acesso em qualquer lugar, de computadores ou dispositivos móveis. De forma fácil e intuitiva, a plataforma exibe as etapas da obra, materiais, cronograma de execução e pagamentos. Entenda melhor como funciona no nosso site!

Acompanhe nas redes o lançamento deste novo sistema. Facebook: @obrafit e pelo site: www.obrafit.com.br. Entre em contato com o Obrafit: [email protected] Artigos relacionados: Sustentabilidade na construção civil